quinta-feira, 26 de novembro de 2009

A Lua Curativa

O poder curativo da Lua é liberado pela integração consciente de aspectos de nós mesmos que foram reprimidos, negados e relegados à escuridão do self consciente.

Para muitos, a Lua foi absorvida pela Sombra da psique, em parte formando aspectos da personalidade plena que foram rejeitados e que não cabem numa auto-imagem idealizada, aqueles traços e tendências que gostaríamos de fingir que nada têm a ver com nossa natureza. As técnicas psicológicas contemporâneas têm por objetivo tornar consciente o inconsciente, lançando uma luz na escuridão e, assim, iluminando o desconhecido, e, quer se reconheça ou não, elas estão seguindo os passos dos exploradores esotéricos. Esta é a passagem para o lado escuro de nossa totalidade dividida e, assim como o nascimento físico começa na escuridão interior do útero, antes de emergir para a luz do nascimento terreno, o processo de renascimento espiritual inicia na escuridão do inconsciente, passando através das tradicionais fases da noite escura.

A tarefa com a qual nos defrontamos é a redescoberta da parte que foi perdida de nossa natureza e a origem das tendências inconscientes que estão sempre dividindo aspectos de nós mesmos sob as pressões do cotidiano. Que ações precisamos empreender e que mudanças de atitude e de auto-expressão são necessárias?

A transformação fundamental requer a inclusão de nosso eu obscuro, a percepção e o reconhecimento de nossa escuridão, sem condená-la, rejeitá-la ou negá-la ainda mais. Isto pode incluir o enfrentamento de nossas feridas emocionais, os instintos embotados, as paixões mais negras, a raiva e a frustração, nossas falhas e necessidades mais profundas, os sentimentos de rejeição e solidão, negatividade, os medos e nossa falta de significado, propósito e direção.

Perguntamos a nós mesmos: "O que há de errado e insatisfatório comigo e com minha vida? E o que posso fazer para mudar isto?". Tentativas de impor controle e racionalidade fracassam muitas vezes, mesmo quando superficialmente o estilo de vida é invejável; é aquele mal-estar interior que debilita cada vez mais, à medida que a energia se dispersa através de um self não integrado e insatisfeito.

As energias lunares oferecem cura e vitalização profundas, se pudermos descobrir suas raízes, que estão nos níveis mais profundas de nosso ser. Esta é a descida à psique primal, que pode passar por níveis de caos e vazio interior e áreas onde as fontes de energia de nossas emoções, sentimentos e instintos têm suas raízes — poderosas, selvagens e incontidas. Sua vitalidade e força podem nos chocar, porque estamos acostumados a controlar e atrelar estas forças vitais ao nosso condicionamento social e pessoal, e podemos evitar o enfrentamento de sua verdadeira natureza e o reconhecimento de sua existência dentro de nós mesmos. E um teste verdadeiro e uma iniciação passar, deliberada e conscientemente, através do portão que leva à escuridão, penetrando nos reinos das deusas e deuses negros, especialmente após uma repressão prolongada do "negro" pela "branca" luz solar da consciência. Mas como nossa realidade é dualista, devemos aceitar a validade da luz e da escuridão em nosso self, e criar um novo tipo de identidade consciente.

Não há caminho para uma maior unidade e integração que não passe pelo reino da Deusa Luna, e isto requer a fusão e a dissolução das barreiras artificiais entre o consciente e o inconsciente. A totalidade é abraçar simultaneamente o Sol e a Lua, e optar por esta jornada é um ato conscientemente sagrado, mesmo que um dos maiores desafios seja passar por reinos de loucura quando nosso racional analítico enfrenta "os demônios e diabos interiores". Nós mesmos os criamos e perpetuamos sua existência. Eles podem ser liberados através da transformação dos demônios em amigos e através da recuperação daqueles aspectos de nossa natureza que foram envenenados por nossas rejeições e negações; ao fazer isto, podemos descobrir que novas forças são liberadas dentro de nós para a expressão criativa, assim como nosso sentimento é unificado.

À medida que nossas projeções da sombra são reabsorvidas, passamos a enxergar com maior objetividade, e o poder das emoções, sentimentos e instintos é reequilibrado e torna-se capaz de uma expressão pessoal positiva, criativa e dinâmica. Percebemos os perigos de reprimir sentimentos e emoções e começamos a buscar formas mais seguras e construtivas de curar as feridas da nossa criança interior. Podemos aprender a nos nutrir e a cuidar de nós mesmos, e a curar, através da aceitação e do perdão, os ferimentos de nosso passado. O portal da escuridão pode se tornar o caminho de uma oportunidade exaltada e a perspectiva de compreensão dos segredos da cura interior; a confiança e a fé no aconselhamento interior substitui qualquer dependência exterior das autoridades e do condicionamento social. Podemos enxergar através da iluminação fornecida por nossa própria luz interior, assim que a Lua Cheia desponta na escuridão.

Ao optar por uma abertura para nossa escuridão interior, conseguimos redespertar a Deusa da Noite no Submundo. Se construirmos barreiras defensivas contra a escuridão, o único resultado possível será o desequilíbrio, a divisão e as feridas causadas por nós mesmos; ao trabalharmos com as forças lunares, uma redenção potencial é possível, tanto para o pessoal como para o coletivo.

Com a redescoberta dos alicerces individuais, podemos reunir as energias da Água e da Terra em nosso ser, já que ambas estão associadas ao poder lunar e ligadas aos padrões arquetípicos do ciclo vida, morte, renascimento. Nossos sentimentos e emoções aquosos dependem de nossos corpos terrenos, e é através deste relacionamento que técnicas como o trabalho corporal e a massagem são tão eficientes para liberar estresses e tensões físico-emocionais presos em nossas formas físicas.

A Lua talvez exija uma rendição ao "chão do ser", que pode se equiparar aos padrões da Mãe, do Self e da Terra, e é possível que seja esta saída do controle solar dominador do self que liberte a renovada criatividade e fertilidade das energias lunares. Como reconhecem os artistas, ocultistas, amantes e mães, os novos impulsos só emergem quando o controle consciente é transcendido ou relaxado. O pensamento é afetado pela abertura para a Lua, à medida que tipos estranhos de inspiração fluem, conceitos profundos podem ser mais facilmente compreendidos e a intuição pode florescer como uma exaltação de instintos liberados e da orientação interior. As idéias criativas passam a ter maior poder e profundidade, demonstrando uma qualidade luminosa, obrigatória e imaginativa, expandindo-se aparentemente a partir de sua própria vontade de abarcar cada vez mais.

À medida que as raízes pessoais se estendem conscientemente para o interior da consciência individual, aumentam as perspectivas de cura, mas isto só ocorrerá se valorizarmos o lado escuro de nosso ser. Nunca é demais enfatizar esta questão, uma vez que ela é a chave da integração espiritual.


Texto retirado do livro: A Rainha da Noite - Paul Haydn


Beijinhus com gostinho de mel de flores silvestres...


Ayslla Mab

Um comentário:

mari disse...

oi querida que coincidência, sou de Fortaleza e cheguei há poucas semanas em SP para me mudar para Santos logo mais. Adoraria ua oportunidade de lhe conhece pessoalmente. Adorei os dois últimos posts e já estou aqui atrás de comprar o livro em algum sebo. Abraço e flores, Mari

namaste!