segunda-feira, 29 de março de 2010

Achar respostas...

Foram 8 dias e 7 noites, longe da minha casa, da minha cama, da minha familia, dos meus amigos, conhecendo e desvendando um lugar chamado Pantanal...
Na verdade, ficamos meio nomâdes, 1 dia em Cuiabá, 2 em Poconé, 2 em Aguas Quentes, 1 em Jaciara, e 2 em Cuiabá antes de voltar pra Sampa... diga-se de passagem que andar de avião foi a experiência mais assustadora da minha vida, definitivamente sou um ser da Terra, do elemento fixo...rsrsrs
Mas houveram momentos que pude ouvir o Sagrado, como na noite em que fizemos uma fogueira na Pousada em Poconé, aquele céu mega estrelado e as Canções Sagradas sendo cantadas... foi inevitável.
E na Chapada dos Guimarães no momento que fomos conhecer um dos Mirantes que dá acesso a uma visão privilegiada, naquele instante você olha aquela imensidão, e percebe o quanto se é pequeno, o quanto se é frágil, mediante tão grande poder!

As respostas que achei que encontraria nas pedras da Chapada, nos rios do Pantanal, eu encontrei dentro de mim mesma, existem coisas inevitáveis que estão para ocorrer em minha vida, e sei que não posso mais lutar contra elas, e não farei, seguirei o fluxo, seguirei meu fluxo com calma e confiança.

Meus amores, minhas paixões me orientaram até aqui, nunca fui uma folha ao vento, sempre escolhi a direção para onde me levar, mas desta vez não é assim, me debatia contra mim mesma, me sinto ainda pressa, me sinto agoada em um canto, sem saber para onde olhar, sem ar, sem luz.
Sinto falta daquela mão forte, daquele abraço protetor, daquele olhar que sem palavras me dizia que tudo ficaria bem, daquele corpo que me aquecia a alma, das palavras de confiança e ânimo, dos beijos aos risos e em lágrimas... sinto falta de nós, sinto falta de como eu era antes.
E sei que nada pode substituir o que tive, mas acredito que a Deusa em mim vive e ama, se expressa de muitas formas, e em breve Ela colocará meu coração em um mar tranquilo e sereno.
Longe dessas tristezas, longe dessas dúvidas, e perto de alguém que possa me amar como sou, sem títulos, nem cargos, somente como uma mulher, uma filha da Deusa.
Alguém que possa de novo enxugar minhas lágrimas e arrancar um sorriso espontâneo de mim, alguém que aceite meus defeitos e veja mais do que a Sacerdotisa que existe.
Estou nesse labirinto de perguntas e tentando achar as respostas, e não é fácil... é estranho!

*** Cada dia constitui uma nova vida para quem sabe viver!***

Assim eu sigo... dizendo: Eu acredito, acredito, acredito!

Beijos com aroma do outono chuvoso...

Babi Guerreiro

2 comentários:

([salix sam]) disse...

Fico feliz por vc ter encontrado respostas dentro de vc. As vezes a gente precisa se afastar do lugar onde estamos acostumados pra poder olhar pra ele novamente como se fosse a primeira vez =)

Pooooxa deve ter sido tão legal acender uma fogueira e ver tantas estrelas! Uma vez eu vi um monte num buraco no céu na praia...no meio de um monte de núvem...foi de tirar o folego.
Estou acostumada com o cinza e o concreto =/

Mas quando chove eu fico feliz de poder sentir o cheiro da terra e das ervas =)

Muito difícil se desacostumar com alguém tão especial pra gente...faz falta...e no frio então xD sei como é...

Mas veja pelo lado bom! Agora vc vai poder aproveitar pra se conhecer melhor...e passear com as suas amigas...e conhecerá novas pessoas...=)

Beijão pra ti!

Bosque Fractal disse...

Muito bom!